INSEGURANÇA NO TRANSPORTE DE CARGA – Custa 5% do que você consome

o-preco-da-inseguranca

Da indústria para o setor atacadista, depois, para o varejo, os gestores da iniciativa privada precisam investir recursos na segurança da carga, motoristas e ajudantes, afirma Adailton, que também é empresário da Operador Logística, especialista em processos logísticos.

“A gente não pode mais fazer uma entrega sem que a carga esteja completamente segurada. Está caótico. O roubo de carga se acentuou muito, é diária, endêmica, difícil de controlar. Vai onerar em aproximadamente 5% na conta final do produto”, reitera o representante atacadista. O dinheiro aplicado em segurança para transportar a mercadoria pesa, por exemplo, R$ 70 no preço de uma TV que custa R$ 1399. Ou R$ 16 em um pneu ao preço de R$ 329.

Destino do dinheiro

Cerca de 5% é também quanto aplica em gerenciamento de risco a LDB Transportes, empresa cearense com 20 anos de experiência no ramo de logística, segundo contabiliza o diretor de operações da companhia, Tiago Leal.

“É aquisição de equipamentos e implantação de monitoramento. O custo é muito alto. Se a gente levantar números, são coisas assustadoras. É uma cadeia inteira que perde. Repassa para o frete, que repassa pro produto final, com certeza”, afirma Tiago. A LDB transporta cerca de 50 mil toneladas de produtos por mês e atua com 130 veículos, mais alguns carros terceirizados.

“Não tem mais horário, região ou tecnologia que ajude completamente. O bandido aprende a trabalhar com ferramentas que desabilita o rastreador”, lamenta o diretor, que diz haver uma dificuldade de contratação de mão de obra para transportar em função da insegurança nas estradas. “Não tem uma estrutura boa de parada e não tem policiamento suficiente”.

Um transporte da LDB foi assaltado em 2013. Ocorreu no bairro Montese, em Fortaleza. Os ajudantes e o motorista foram rendidos, no caminho da entrega. O carro foi localizado, mas os assaltantes levaram o conteúdo transportado. Tiago preferiu não informar o tipo de produto e valor perdido.

Delegacia exclusiva

O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística no Estado do Ceará (Setcarce), Clovis Nogueira Bezerra, aponta como medida para reduzir os roubos de cargas no Ceará a criação de uma delegacia exclusiva ao combate dessa modalidade de crime.

Hoje, existe a Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos e Cargas (DRFVC), que tem um espectro de atuação mais ampla. O setor entregou ao governador Cid Gomes um ofício com a solicitação.

O titular da DRFVC, Dionísio Amaral, afirmou ao O POVO que apoia a criação de uma delegacia exclusiva. “Acho viável. Até já me manifestei em favor em uma audiência pública que houve na Assembleia”. Dionísio informa que Cid Gomes já recebeu o ofício e o encaminhou ao secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, Cel. Francisco José Bezerra Rodrigues.

Questionado se assumiria a possível nova delegacia, Dionísio afirmou que sim. “Temos bons resultados contra roubos de cargas”.

Fonte: Jornal O Povo