Após greve dos caminhoneiros, Expolog 2018 discutirá alternativas para modal rodoviário

Fonte: Diário do Nordeste

Segundo a Fundação Dom Cabral, 75% da produção no país é escoada por rodovias, seguidas pelo modal marítimo (9,2%), aéreo (5,8%), ferroviário (5,4%), cabotagem (3%) e hidroviário (0,7%)

 

Marcada para os dias 28 e 29 de novembro, a edição de 2018 da Feira Nacional de Logística/XIII Seminário Internacional de Logística(Expolog) deverá focar no tema da busca por alternativas ao modal rodoviário no sistema de transporte de cargas brasileiro. O assunto foi proposto pela análise dos impactos gerados na economia do País após a greve dos caminhoneiros, em maio. O evento deverá reunir mais de 280 empresas do setor de logística.

“O primeiro momento é discutir como será a legislação em relação ao modal rodoviário porque hoje tem gente que segue a tabela de frete e tem quem não (siga)”, disse Carlos Alberto Nunes, gerente comercial da Tecer Terminais Portuários.

Nunes ainda enalteceu a importância do calendário deste ano, que possibilitará a discussão durante o período de transição para um novo governo no Executivo nacional. A ocasião deverá gerar a possibilidade de uma discussão maior sobre a legislação aplicada no setor e quais serão as intenções do novo governante para os gargalos do transporte de cargas no País.

Segundo dados da Fundação Dom Cabral, 75% da produção no país é escoada pelas rodovias, seguida da marítima (9,2%), aérea (5,8%), ferroviária (5,4%), cabotagem (3%) e hidroviária (0,7%).

“Nesse momento da Expolog, já estará definido o novo governo e já podermos ter aí uma política de transição. O novo presidente vai ter que se posicionar e dizer qual vai ser melhor opção de legislação para o modal rodoviário seguir nos próximos anos”, afirmou Nunes.

O momento econômico do Estado, segundo o gerente da Tecer, também será um dos grandes potenciais da Expolog 2018. A chegada de empresas internacionais ao Ceará e a instalação dos hubs aéreo (Air France/KLM e Gol), tecnológico (Angola Cabes) e marítimo (portos do Pecém e Roterdã) deverão impulsionar o desenvolvimento de negócios na região.

“Teremos uma feira em um momento ímpar, com um novo governo já discutido. E teremos a possibilidade de discussão de novos modais. Além disso, teremos players do mercado justamente para discutir essas questões que podem ser impulsionadas pelos hubs no Ceará, como o aéreo, o de tecnologia e o marítimo, com a Cipp S/A”, analisou Nunes.

“Também teremos todas as discussões sobre investimentos no Ceará, aproveitando a parceria do Porto do Pecém com o Roterdã e teremos um representante dos holandeses para explicar como foi feito esse trabalho de parceria e quais as oportunidades que serão geradas. O nosso estado é muito convidativo para atrair investimentos estrangeiros e isso também será analisado durante a Expolog”, completou.

 

REALIZADA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA DIRETORIA DO SETCARCE

A diretoria do SETCARCE esteve reunida extraordinariamente hoje 23/10, na sede do SETCARCE.

Foram tratados os seguintes assuntos:

  1. MANDADO DE SEGURANÇA – AÇÃO BASE DE CALCULO  ICMS/PIS-COFINS;
  • Empresas associadas do SETCARCE tem direito a compensação desde o ano de 2007, para mais informações solicite informações na secretaria do SETCARCE – (85) 3276.4118;
  1. EXPOLOG 2018 – SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGÍSTICA;
    1. Painel do debates,MARCO REGULATÓRIO / PREÇOS MÍNIMOS DE FRETE
    2. Estande/ilha do SETCARCE,
  2. HOMENAGEADOS 2018 C/ TROFÉUS OTACÍLIO CORREIA E MÉRITO SETCARCE; Foram escolhidos:
    1. TROFÉU OTACÍLIO CORREIA:
      1. Urubatan Helou – Vice-presidente da NTC e Diretor Presidente da BRASPRESS
    2. TROFÉU MÉRITO SETCARCE :
      1. Francisco Julio Farias Santiago – Diretor da TRANSVALE e do SETCARCE
      2. Philipe Boris – in memorian – Diretor Presidente da TERMACO.
  3. COMPRAS CONJUNTAS;
    1. Aquisição de Cestas básicas – vale alimentação.

Pesquisa CNT de Rodovias indica que 57% dos trechos apresentam problemas

Confederação analisa mais de 107 mil km de rodovias federais e estaduais pavimentadas; sinalização melhora de 2017 para 2018 e pontos críticos aumentam

 

A malha pavimentada brasileira continua em condições insatisfatórias, ainda que tenha apresentado uma pequena melhora entre 2017 e 2018. É o que revela a 22ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias, divulgada pela Confederação Nacional do Transporte, nesta quarta-feira (17). De acordo com o levantamento, 57% dos trechos avaliados apresentaram estado geral com classificação regular, ruim ou péssima. Em 2017, o percentual com algum problema foi de 61,8%. No total, a CNT pesquisou 107.161 km, o que corresponde a toda a malha federal pavimentada e aos principais trechos estaduais, também pavimentados.
A variável que contribuiu para a mudança dos dados foi a sinalização, que inclui placas de limite de velocidade, faixas centrais, laterais e defensas – elementos inseridos nas vias com a finalidade de reduzir o impacto de possíveis colisões. Neste ano, o percentual da extensão das rodovias com sinalização ótima ou boa foi de 55,3%. No ano passado, 40,8%. A melhora de 14,5 pontos percentuais pode ser explicada pelos avanços nos programas dedicados à adequação da sinalização, sobretudo em rodovias federais.
A Pesquisa CNT de Rodovias também revela que as condições da geometria da via preocupam, pois 75,7% da extensão avaliada foi classificada como regular, ruim ou péssima. A situação do pavimento também é deficiente em 50,9% da extensão total avaliada.
Outro número que aparece em destaque no estudo é o aumento de pontos críticos, que passaram de 363 para 454 casos. Esses pontos podem ser classificados como situações graves que ocorrem na via e podem trazer riscos à segurança dos usuários, além de custos adicionais de operação, devido à possibilidade de dano severo aos veículos, aumento do tempo de viagem ou elevação da despesa com combustível. Entre os principais identificados pela CNT estão quedas de barreiras, pontes caídas, erosões nas pistas e trechos com buracos grandes.
A pesquisa aponta, ainda, que as condições do pavimento das rodovias representam acréscimo médio do custo operacional do transporte da ordem de 26,7%. As deficiências impactam a manutenção dos veículos, com maior desgaste de pneus e freios e aumento do consumo de combustível.

Iniciativa privada

Segundo os dados, as rodovias concedidas à iniciativa privada tiveram melhoria de 7,5 pontos percentuais entre 2017 e 2018. No total, 81,9% do estado geral dessas vias foi classificado como ótimo ou bom, sendo que, no ano passado, esse índice foi de 74,4%. O presidente da CNT, Clésio Andrade, ressalta a importância da participação da iniciativa privada para a construção e manutenção das rodovias brasileiras.
“Não temos dúvidas de que o poder público precisa reconhecer a importância da iniciativa privada e chamar os investidores para serem protagonistas dessa empreitada. A viabilização dos investimentos privados, com a garantia de segurança jurídica e propostas atrativas de parceria, deve ser sempre priorizada”, acredita Andrade.
A pesquisa da CNT vem mostrando ano a ano que o investimento público está bem distante do que a infraestrutura de transporte precisa. Para se ter uma ideia, o prejuízo com os acidentes é maior que os recursos destinados às rodovias. Em 2017, o governo federal autorizou R$ 8,31 bilhões para as intervenções de infraestrutura rodoviária, sendo que o custo dos acidentes, em 2017, foi de R$ 10,8 bilhões.​

Pesquisa CNT de Rodovias

Este ano, o levantamento da CNT chega à sua 22ª edição e classifica toda a malha percorrida por tipo de gestão, por estado, por regiões geográficas, por corredores rodoviários e por tipo de rodovias. O estudo é um instrumento de consulta para todos os caminhoneiros autônomos e demais transportadores de todo o país. Os dados podem subsidiar políticas setoriais de transporte, projetos privados, programas governamentais e atividades de ensino e pesquisa para o desenvolvimento do transporte rodoviário de cargas e de passageiros.​
Acesse aqui o site da 22ª Pesquisa CNT de Rodovias​ para consultar todas as informações.

Novas regras de parcelamento de débitos de multas da ANTT

Fonte: SINDIVAPA
Multas

Por meio da Resolução 5830, publicada em 17/10/2018, a ANTT instituiu novas regras de parcelamento de débitos oriundos de multas por autuações da agência, se ainda não inscritos em Dívida Ativa, nem forem autuações previstas no Código de Trânsito Brasileiro – CTB.

Considerando grande número de associados que tem débitos de autuações já definidas em âmbito administrativo (sem recursos pendentes ou cabíveis), este comunicado se torna mais relevante. E isso se agrava por conta de multas originalmente de R$ 5.000, pelas supostas evasões rodoviárias à fiscalização da ANTT.

Afinal, por necessidades urgentes, caso a empresa parcele referidos débitos, praticamente inexistem meios de ter restituição dos valores, ainda que as respectivas autuações sejam reconhecidas como ilegais em ações judiciais, por exemplo.

Assim, segue resumo das novas regras, que passarão a vigorar em 16/11/2018.

Parcelamento em até 60 prestações mensais e sucessivas, acrescidas da Taxa Selic, sendo que parcelamento dos débitos inscritos na Dívida Ativa da ANTT depende regulamentação própria, da Procuradoria-Geral Federal. Opedido de parcelamento constitui confissão irretratável e irrevogável dos débitos objetos do pedido, com dever de renúncia a qualquer discussão relativa ao débito. A ANTT disponibilizará em sua página eletrônica os procedimentos para o pedido de parcelamento, com seguintes condições:

 

Sendo débitos sem discussão administrativa ou judicial em curso, será necessário incluir TODOS eles no parcelamento. Trata-se de exigência de legalidade duvidosa, mas que apenas judicialmente pode ser derrubada.

 

Sendo débitos em discussão administrativa ou judicial, caberá ao autuado apontar quais deseja parcelar ou não. O devedor definirá nº de prestações, até máximo de 60. O pedido do parcelamento será automaticamente deferido se não houver resposta oficial (por e-mail) em 90 dias do recebimento da documentação completa na ANTT. O parcelamento será rescindido:

 

I – na falta de pagamento integral de três parcelas, consecutivas ou não; e
II – na falta de pagamento integral de até duas parcelas, estando todas as demais quitadas, ou estando vencida a última parcela, sem que tenha ocorrido a quitação integral da dívida.

Prestações pagas com até 30 dias de atraso não configuram inadimplência.

 

A qualquer momento poderá ser admitido um novo parcelamento envolvendo novos débitos, ou saldo de parcelamentos antes rescindidos, desde que na primeira prestações se pague:

 

I – 10% (dez por cento) do total dos débitos consolidados; e

II – 50% (cinquenta por cento) do total dos débitos consolidados, caso haja débito com histórico de reparcelamento anterior.

SETCARCE RECEBE REPRESENTANTES DO GRUPO EDENRED- REPOM/TICKET LOG

O presidente do SETCARCE recepcionou na manhã desta quinta-feira, 18/10,  representantes do grupo EDENRED REPOM/TICKET LOG, Thomas Gautier Diretor Geral, Marcus Manzano Diretor de Relacionamento de Frota e Soluções de Mobilidade Mercado Rodoviário, Breno Emry Gerente de Regional de Vendas e Nagibe Maia Gerente de Relacionamento, o Diretor Marcelo Maranhão também esteve presente.

Há mais de 30 anos a apoiar as empresas no reforço e implementação de políticas de Benefícios Sociais e a promover o bem-estar e o aumento do poder de compra dos seus colaboradores.

 

DIRETORES DO SETCARCE ESTIVERAM REUNIDOS EM 18/10/2018

Por solicitação da sra. Rosanne Boris da COPRAL  os diretores do SETCARCE estiveram reunidos em 18/10, na sua sede, para tratar da AÇÃO movida pelo SETCARCE para exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS.

BRASPRESS RECEBE PELA TERCEIRA VEZ O PRÊMIO TOP DE TRANSPORTES

Dia de muita alegria para a família BRASPRESS. (Empresa associada ao SETCARCE).

Pela 3a vez e 2a consecutiva vencedora do prêmio TOP DE TRANSPORTES da editora Frota & cia e log Web

A BRASPRESS do empresário Urubatan Helou (foto),  foi a cia de transportes mais reconhecida pelo mercado e a divisão AEROPRESS a vencedora no rodo aero,

Justa esta conquista que valoriza o comprometimento e o trabalho de seus 6.000-colaboradores CLT e outros 2.000-tercerizado.

O SETCARCE parabeniza a toda equipe da BRASPRESS

PESQUISA CNT – Ceará tem 951 km de rodovias ruins ou péssimas

Pesquisa CNT 2018 | Foram avaliados 3.581 km no Estado. Deste total, 72,4% da malha viária apresentam problemas e são classificados em estado regular, ruim ou péssimo

O Ceará possui 951 km de rodovias ruins ou péssimas, o que corresponde a 26,5% dos 3.581 km de estradas. Isso significa que um em cada quatro quilômetros não é bem avaliado. Em estado regular estão 1.639 km (45,9%) e bom abrange 918 km (25,6%). Ótimo fica para apenas 73 km, ou 2% das vias.

Os dados fazem parte da 22ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias 2018, divulgado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), e apontam que as estradas federais estão em melhores condições que as estaduais, no Ceará. São 63 km de BRs consideradas ótimas, enquanto apenas 10 km das CEs estão neste estado.

Por outro lado, no Ceará, rodovias consideradas ótimas ou boas aumentaram 0,7 ponto percentual ante o ano passado. Mas, 89% dos quilômetros avaliados apresentam problemas.

O Levantamento revela que a situação das estradas brasileiras ainda é crítica, apesar de melhora com relação ao ano passado. De acordo com a pesquisa, 57% dos trechos no País estão regulares, ruins ou péssimos. Houve pequena redução em comparação ao dado de 2017, que foi de 61,8%.

Além disso, mais de 60% dos transportes de cargas e 90% dos deslocamentos de passageiros são realizados por meio terrestre. Nesta edição, 107.161 km de estradas e rodovias foram avaliados no Brasil.

Principais escoadoras da produção cearense para outras partes do País, as estradas federais são criticadas pelo presidente da Câmara Temática de Logística e do Conselho de Infraestrutura da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Heitor Studart, que analisa que o baixo investimento por parte do Governo Federal não mantém a estrutura atual e não possibilita melhorias.

Ainda segundo Heitor, obras de responsabilidade do Departamento Nacional de Rodovias (Dnit) estão paradas e o baixo investimento na manutenção de outros trechos prejudicam a economia.

O economista Alcântara Macêdo acredita que a crise financeira impossibilita que o poder público consiga manter as estradas em boas condições. Para ele, a solução seria realização de parcerias com o setor privado. Ele diz que estradas ruins chegam até a aumentar os preços dos produtos por causa do aumento do custo do escoamento da produção e transporte.

 

Por meio de nota, o Departamento Estadual de Rodovias (DER) informou que o Governo vem realizando obras de ampliação de malha rodoviária pavimentada e duplicada, com investimento na casa dos R$ 1,28 bilhão durante os últimos quatro anos, e que, somente para 2018, estão previstas obras em mais de 900 km.

O POVO tentou contato com o Dnit, mas não obteve retorno.

Método

A CNT avalia pavimento, sinalização e geometria da via. Essas características são analisadas segundo os níveis de conservação e segurança.

43% 

da pavimentação das estradas cearenses é boa ou ótima

 

41%

da sinalização dos trechos do Estado é considerada boa ou ótima

 

80%

da geometria das vias do Ceará é considerada problemática

SAMUEL PIMENTEL

Fonte: Jornal O Povo

SETCARCE RECEBE VISITA DE REPRESENTANTES DA NELSON WILIANS ADVOGADOS

O Presidente do SETCARCE, Clovis Nogueira recepcionou hoje 17/10, na sede do SETCARCE, os representantes da NELSON WILIANS ADVOGADOS ASSOCIADOS, Dra. Marcela Martins e  Dr. Fabiano Távora, ,

Cid cobra mea culpa do PT, bate boca com militantes e é vaiado

Fonte: Jornal O Povo

ATO PRÓ-HADDAD | Durante encontro da campanha de Fernando Haddad no Ceará, Cid Gomes exigiu autocrítica do partido e foi vaiado por petistas

Ao lado do governador Camilo Santana (PT), o senador eleito Cid Gomes (PDT) cobrou ontem um mea culpa do partido durante encontro que abriu a campanha de Fernando Haddad no Ceará no segundo turno contra Jair Bolsonaro (PSL).

 “Eu conheço o Haddad, é uma boa pessoa. Tenho zero problema de votar nele”, disse o ex-governador do Estado a um auditório lotado de filiados e simpatizantes do PT.”Mas aí fica para algum companheiro do PT que me suceda aqui na fala: se quiser fazer um exemplo para o País, tem de fazer um mea culpa. Tem de pedir desculpas, tem que ter humildade e reconhecer que fizeram muita besteira”, completou.

Numa fala de dez minutos, o ex-governador distribuiu críticas fartas à postura da legenda durante o primeiro turno e ao ex-presidente Lula. O pedetista também bateu boca com militantes petistas, que vaiaram o ex-ministro. Em resposta, Cid os chamou de “babacas” e “otários”.

Irmão do ex-presidenciável Ciro Gomes, terceiro colocado na disputa ao Planalto, o senador eleito acrescentou: “Não admitir o mea culpa, os erros que cometeram, isso é para perder a eleição e é bem feito”.

A plateia então passou a gritar o nome de Lula e a entoar cantos de “Lula livre”.

“Lula o quê?”, perguntou Cid. “Lula está preso, babaca. Isso é o PT. E o PT desse jeito merece perder. Só pra rimar. Vão perder feio porque fizeram muita besteira. Porque aparelharam as repartições públicas. Porque acharam que eram donos de um país, e o Brasil não aceita ter dono.”

Antes de encerrar a fala, Cid se despediu, ainda sob vaias: “Beijinho, beijinho, e tchau, tchau”.

Considerada fundamental para as forças pró-Haddad no Ceará, a participação de Cid no ato já prenunciava o desconforto do grupo político dos Ferreira Gomes.

O pedetista, principal articulador da campanha de Ciro à Presidência, chegou junto com Camilo ao auditório do Marina Park, onde já o aguardava a cúpula

do PDT no Estado.

Estavam lá o deputado eleito Salmito Filho, o presidente da Assembleia Legislativa Zezinho Albuquerque, o deputado Tin Gomes e o prefeito de Sobral e irmão de Cid, Ivo Gomes, além da vice-governadora, Izolda Cela.

Instado a falar – o discurso de Cid abriu o evento, que se encerraria pouco tempo depois -, o pedetista expôs a insatisfação diante da tentativa do PT de costurar no segundo turno uma participação mais efetiva de Ciro e do PDT na campanha de Haddad.

“Todo mundo sabe que eu votei noutro candidato no primeiro turno, não sabe?”, começou o ex-governador. “E isso não é uma transição tão fácil. Acho que, pra essa transição acontecer, muita coisa teria que ter acontecido.”

Cid se referia ao isolamento imposto pelo PT a Ciro ainda em agosto, quando as tentativas de acordo do PDT com PSB e PCdoB fracassaram após intervenções da legenda de Lula.

Em seguida, o senador eleito falou que havia duas alternativas para o seu partido. “Uma é a gente fazer de conta… Futebol é isso mesmo, tem dois turnos, e no segundo turno a gente tem que escolher. Para mim, tudo bem”, respondeu. “Ora, eu já votei no Eunício (Oliveira). Para votar no Haddad, eu voto com muito mais prazer ainda.”

A segunda alternativa seria, “se a gente quer, daqui do Ceará, dar um exemplo para o Brasil”, fazer um mea culpa.

Ao discursar, porém, Camilo esquivou-se dessa tarefa. “Nosso objetivo aqui não é fazer uma análise política. Meu primeiro objetivo aqui é agradecer a vocês pelo resultado deste ano no Estado do Ceará”, disse o governador.

“Eu entendo tudo que o Cid falou aqui. Cada um tem a liberdade de se expressar, mas o Cid tomou a decisão de vir pra ajudar a construir a grande vitória do Haddad no Ceará. Esse é o momento de nos unirmos.”

HENRIQUE ARAÚJO