Histórico

O nosso Sindicato foi criado em 1941. Sua primeira carta sindical foi concedida em 13 de abril de 1942, requerida pelos proprietários de veículos de cargas e emitida em nome do Sindicato das Empresas de Veículos de Carga de Fortaleza, com base territorial somente no município de Fortaleza.

FOTO DO ANO DE 1975 - Dr. Neiva, Dr. José Brasil, Dr. Lúcio Alcântara e Dr. Otacílio Correia

FOTO DO ANO DE 1975 – Dr. Neiva, Dr. José Brasil, Dr. Lúcio Alcântara e Dr. Otacílio Correia

“Estranho bastante a não dissolução com a cassação de sua carta”, afirma o Delegado Regional do Trabalho, e completou: “O Sindicato existia de direito e não existia de fato. Era como uma criança que nascera frágil e, durante todos esses anos, ficara numa incubadora”.

Lembra o Dr. Neiva que não sabia da existência do Sindicato quando, em 1975, foi procurado pelo Presidente do Sindicato das Empresas de Transportes Coletivos, Sr. Raimundo Feitosa, que o informou dessa existência e da necessidade de sua reativação para possibilitar a criação da Federação das Empresas de Transporte Norte e Nordeste, pois toda as contribuições, naquela época, iam para a F.N.T.

Em Brasília, o Dr. Neiva localizou o registro da Carta, possibilitando a uma busca na D.RT. local, findando pela reativação do Sindicato com a nomeação de uma junta interventora, através da Portaria 27/75, de 05.03.1975.

Em 9 de abril de 1975, o Sindicato reuniu-se, em sua sede, nessa época sita à Av. Pessoa Anta, 87 – sala 02, sob a direção da junta interventora, composta pelos senhores Luís Otacílio Correia (Presidente), Péricles Augusto Bezerra Mulatinho (Secretário) e José Brasil de Paula (Tesoureiro). Constou da Ordem do Dia a fundação da Federação de Transportes Terrestres do Norte e Nordeste, a filiação do Sindicato à Federação, eleição dos delegados junto à Federação e aprovação dos Estatutos Sociais. Foram escolhidos como delegados os Srs. Mulatinho e José Brasil.

Essa junta, nomeada para reativar o Sindicato e preparar suas eleições, no Sindicato e preparar suas eleições, no prazo de 180 dias, em virtude das dificuldades, teve seu mandato prorrogado por três vezes (Portaria 206/75, Proc. 011430/75 e Portaria 024/76, de 29.06.1976). Nesse período foi criada a Federação, com sede em Fortaleza e cujo primeiro Presidente foi o Sr. Hermínio Mendes Cavalheiro. Hoje, essa Federação tem sua sede na cidade do Recife.

Em 1977, o Sindicato contava com 31 associados: Transportes Glória S/A, Icopervil S/A, Interbrasil Transportes Ltda, Transportadora R.A. Ltda., Transportes Atlas Ltda., Agência Central de Transportes, Continental Transportes Rodoviários, Rodoviária Brasiluso Ltda., Transalves, Transportadora Coral S/A., Transportadora Aurora S.A., Mudanças Confiança, Transportadora N.R. Ltda., Transportes Omar Ltda., Dom Vital Ultra-Rápido S/A., Alvorada Transportes Ltda., Organização Nacional de Encomendas, Transportadora Blumenauense Ltda., Transportes Rápido Belém Ltda., Transportadora Cometa S/A., Transportes Verdes Mares S/A., J.Brasil Transportes e Representação Ltda., Transportadora Irmãos Bezerra, Transportadora Júlio Rocha Ltda., e Transmaia – Transportes Maia Ltda.

Em 28 de maio de 1976 foram efeitos os membros da Diretoria, Conselho Fiscal e os Delegados junto à Federação, para o período de 1976 a 1979, assim compostos: Diretoria – José Brasil de Paula (Presidente), Luís Felício de Sousa (Secretário), Lourival Lucas Carneiro Ribeiro (Tesoureiro); Conselho Fiscal – Luís Otacílio Correia, Péricles Augusto Bezerra Mulatinho; Suplentes do Conselho Fiscal – Edilson Gondim Bezerra, Luís Correia de Oliveira e Júlio Rocha Filho; Delegados junto à Federação – José Brasil de Paula e Luís Felício de Sousa. A mesa coletora foi presidida por Francisco José Pestana da Ponte e Horta, e a apuradora por José Edmar Araújo. Aí começava a luta do Presidente José Brasil para a transformação do Sindicato e o aumento da sua base territorial, trabalho este que durou quase 6 anos.

“Luta árdua. Toda a máquina administrativa governamental dificultava nossas intenções”, afirmou o Presidente, e complementou: “Tivemos que usar das amizades, influências e de todos os meios para conseguir nosso intento. Nisso foi de grande ajuda a participação do Dr. Neiva”.

Mas não foi em vão os esforços do Presidente, pois em 1978, o Ministério do Trabalho, através da Apostila n.º 307942/78, reconheceu a entidade como sendo Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas de Fortaleza, permanecendo, portanto, a mesma base territorial. Já era um passo importantíssimo para a consecução dos objetivos dos que faziam o Sindicato.

Em 1979, José Brasil de Paula foi reeleito para mais 3 anos. Usando das amizades, como já dissemos, e do auxílio dos seus pares de Diretoria, o Presidente conseguiu finalmente ver coroado o seu trabalho, em 21 de julho de 1981, quando o Ministério do Trabalho autorizou a expansão da base territorial para todo o Estado do Ceará e a mudança da denominação para Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas no Estado do Ceará – SETCARCE.

Já em 1980, o Sindicato mudou de sede para o endereço da Rua Dragão do Mar, 326 – altos, depois mudando-se para a BR 116 – KM 7, n.º 2633 – Cajazeiras, e, finalmente, com essa nova gestão para a Av. Aguanambi, 1346 – 2.º andar.

Nova sede na BR 116

Nova sede na BR 116

Em 1981, o SETCARCE filiando-se à FENATAC – Federação Nacional das Empresas de Transportes Rodoviários de Cargas, criada naquele ano, desligou-se da Federação das Empresas de Transportes Rodoviários do Norte e Nordeste – FETRONNOR. Em 27 de julho de 1987, em Assembléia Extraordinária, o Sindicato aprovou a criação da Federação das Empresas de Transportes de Cargas do Nordeste – FETRACAN, com sede em Recife, ficando, desde logo, decidida a desligação da FENATAC e a consequente filiação à nova entidade.

O Presidente José Brasil foi, ainda, reeleito em mais duas ocasiões para mais dois mandatos, perfazendo um total de 12 anos à frente da entidade.

Na Assembléia de 10 de janeiro de 1984, foi aprovado o nome “ORLANDO MONTEIRO” para o auditório do Sindicato, em homenagem aquele que tanto batalhou em defesa do transporte do Norte e Nordeste.

Em meados de 1987, um grupo de empresários e gerentes de empresas – Ronaldo Ribeiro, Manoel Rubens, Clóvis Nogueira, Haroldo Saboia, Francisco de Assis Fonseca, Francisco Alves, Luís Carlos Correia, Marcondes Vilaça, Luís Felício e José Brasil – reuniu-se formando o denominado “Grupo dos Dez” com o fim de auxiliar a diretoria no desempenho de suas funções no desenvolvimento do Sindicato.

Em pouco tempo esse grupo conseguiu equipar o Sindicato com o que há de mais moderno em termos de escritório (máquina de escrever eletrônica IBM, Telex, máquina copiadora Nashua, etc).

Na gestão do Presidente José Brasil, destaca-se a colaboração dos senhores Luís Felício de Sousa, Francisco Alves de Lima, Péricles Augusto Bezerra Mulatinho, entre outros.

Destaca-se, ainda, o trabalho incansável da ex-diretora Maria Valderez Cruz Martins, que ocupou, nesses longos anos, diversos cargos na Diretoria, e se mostrava sempre disposta a compor as comitivas que se deslocavam para participarem de eventos em locais distantes do País.

Em 30 de agosto foi eleito como Presidente do SETCARCE, Manoel Rubens Nogueira, que ocupou a Presidência durante o triênio 1988/1991.

Já em 10 de outubro de 1991, tomou posse o atual Presidente do SETCARCE, Empresário Clóvis Nogueira Bezerra, que cumpriu dois mandados a frente do nosso Sindicato.

Em 16 de outubro de1997 o SETCARCE passou as mãos do Empresário Joaquim Honório Neto, filho do patrono de nosso Trofeu, Empresário Otacílio Correia.

Então, em 01 de janeiro de 2.001 até os dias de hoje o SETCARCE é presidido pelo Empresário Clovis Nogueira Bezerra, que com o apoio de uma Diretoria atuante, tornou nosso Sindicato ainda mais forte, operante, reconhecido e que atende plenamente aos anseios da classe. Ele desenvolve uma gestão duradoura que oferece sempre aos associados os melhores serviços.

Na gestão do Presidente Clovis Nogueira Bezerra destacamos:

  1. Inauguração da Sede Própria do SETCARCE
  2. Criação da Comissão de Conciliação Prévia, em 06 de Fevereiro de 2002.
  3. Aquisição de uma moderna central telefônica.
  4. Aquisição de móveis de escritório novos.
  5. Aquisição de dois aparelhos de ar condicionado tipo SPLIT.