e-Sedex cresce 131,9% no Estado

e-Sedex

Embora o crescimento de entrega de encomendas no Ceará nos últimos dois anos tenha sido bastante significativo, o índice vem caindo ao longo dos anos. Na comparação de maio de 2010 com igual mês de 2011, a alta foi de 59,68%. Já entre maio de 2012 e maio de 2011, o crescimento foi de 45,27%.

“Pelos estudos da E-bit, em função da inflação, as empresas que atuam no e-commerce estão tendo queda nas vendas. Os fretes também estão ficando gratuitos nestas empresas”, justifica o gerente de vendas dos Correios no Ceará, Alessandro Sampaio.

Com isso, para este ano, a expectativa é de que os Correios continue obtendo crescimento nas entregas de encomendas. Entretanto, desta vez, o número continuaria diminuindo, sendo uma elevação de 15% em comparação com o igual período do ano passado.

Em 2012

Em todos os meses do ano passado, os Correios obtiveram uma variação de 111,73% ante o registrado em 2010 em números de encomendas via e-Sedex no Ceará, um total de 361.670 entregas. Já o fluxo total de e-Sedex no Estado (distribuição e postagem) cresceu 99,91% entre 2010 e 2012, com o número de objetos passando de 206.577 para 412.966.

Entraves

Para Alessandro, uma das maiores dificuldades enfrentadas hoje pelos Correios acontece devido às reformas nos aeroportos, que se preparam para a Copa do Mundo de 2014. “A gente acaba tendo o prazo acrescido. Mudam o horário de chegada das aeronaves e as entregas ficam comprometidas”.

Novidades

Pensando no aprimoramento do serviço e nas diferentes opções de entregas para oferecer aos clientes, a empresa está implantando o Pagamento na Entrega, serviço para encomendas Sedex e PAC previsto para ser lançado na segunda quinzena do próximo mês de junho.

“É mais uma alternativa para que o remetente da encomenda tenha pago o valor que ele está enviando no momento da retirada na agência de Correios. No serviço anterior, funcionava via vale postal. Como era papel, a gente demorava para fazer um repasse para quem vende”, explica Alessandro.

Outra novidade anunciada pela estatal é a ampliação do tamanho das encomendas, que poderão chegar a 150 cm ou até 300 cm na soma das dimensões. Atualmente, as dimensões máximas são de 105 cm e 200 cm, respectivamente. Com a iniciativa, que será implantada gradualmente neste ano, os Correios pretendem atender clientes que precisam enviar encomendas com dimensões maiores, como geladeiras, por exemplo, segundo Alessandro. “A gente tinha essa demanda principalmente das grandes operadoras de e-commerce”, fala.

 

Fonte: Diário do Nordeste – Caderno Negócios