Comércio reage ante a restrição a caminhões

caminhoes

De autoria do vereador Salmito Filho, o projeto de lei que pretende restringir a circulação de caminhões na Capital já despertou a preocupação do setor comercial fortalezense. Para o presidente da Federação das Câmara dos Dirigentes Lojistas do Ceará (FCDL-CE) e empresário do setor supermercadista, Honório Pinheiro, se posto em vigor, o projeto deixaria a Cidade desabastecida. “Nós não temos outros tipos de transporte – fora os caminhões – suficientes para abastecer restaurantes, óticas lojas de calçados, material de construção e tantos outros estabelecimentos”, argumenta Pinheiro.

Essa proibição, defende, pode comprometer “a sustentabilidade e a empregabilidade” de Fortaleza. Segundo o empresário, o setor não foi ouvido para a realização da proposta. “Eu nunca fui procurado. A CDL se considera atuante na sociedade, mas nunca fomos convidados a discutir isso. Eu entendo que a intenção é melhorar a mobilidade. Todos nós queremos que o trânsito melhore na nossa cidade, mas não dessa maneira”, lamenta. Pinheiro afirmou que entrou em contato com o presidente da Fiec (Federação das Indústrias do Ceará), Roberto Macedo, e garantiu que ambos os segmentos estão se mobilizando para “externar as preocupações e nos colocar à disposição para dialogar sobre isso”.

A reportagem entrou em contato com Roberto Macedo, mas não obteve retorno.

Para Honório, restrições menores no fluxo de caminhões, em determinados horários e em locais mais movimentados – como já ocorre, por exemplo, no bairro Dionísio Torres – podem ser mais interessantes.

Entenda a proposta

A Câmara Municipal de Fortaleza aprovou, em primeira discussão, na sessão da última terça-feira, o projeto de Lei Complementar que diz que “fica proibido no âmbito do Município de Fortaleza, a circulação, carga e descarga de veículos automotores pesados, nos seguintes dias e horários, excetuados os feriados: I – de 2ª a 6ªfeira: das 6 às 21 horas; II – aos sábados: das 10 às 14 horas”. De acordo com a proposta, as exceções são para caminhões de urgência, socorro mecânico de emergência, cobertura jornalística, obras e serviços de emergência, acesso a estacionamento próprio, correios e serviço emergencial de trânsito.

A matéria passou mais de dois anos para ser aprovada, pois foi inserida no Departamento Legislativo da Casa em abril de 2009 e, só agora, teve a aprovação dos 23 vereadores que participaram da sessão desta quarta. O condutor desse tipo de veículo que transite em local e horário proibidos, poderá ser multado a cada duas horas, sendo aplicada a penalidade prevista no Art. 187 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Fonte: Diário do Nordeste