O diretor do SETCARCE Marcelo Maranhão, participou Workshop Cis & Servis

Na manhã desse 25 de Junho o SETCARCE representado pelo seu diretor Marcelo Maranhão, participou com seu apoio a um dos eventos mais importantes no calendário de grandes eventos da FIEC, o Workshop Cis & Servis, debates a cerca da matriz de transportes e seus diversos seguros correlatos. Super produtivo e proveitoso.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2019/2020 – CONCLUÍDAS NEGOCIAÇÕES ENTRE SETCARCE E SINDICAM-CE

CONCLUÍDAS NEGOCIAÇÕES PARA A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2019/2020 ENTRE SETCARCE E SINDICAM-CE

Em reunião realizada em 11 de Junho de 2019, na sede do SETCARCE, com a presença do Presidente do SETCARCE, Clovis Nogueira Bezerra, do presidente do SINDICAM-CE José Tavares Filho, e demais componentes das comissões de negociação trabalhista, fora concluída a negociação coletiva que irá determinar os termos da Convenção Coletiva de Trabalho – 2019/2020.

Para conhecimento de todos, segue abaixo informações financeiras pautas do acordo firmado:

Reajuste dos salários de forma parcelada sendo:

  • 4,0% (quatro por cento) a partir de 1º de junho de 2019;
  • 1,8% (um, oito por cento) a partir de 1º de outubro de 2019, de forma não cumulativa, incidente sobre os salários de Maio/2019, totalizando reajuste de 5,8% (cinco, oito por cento);

• Vale refeição: R$ 15,00 (quinze reais);
• Diárias: R$ 80,00 (oitenta reais);
• Cesta básica: R$ 120,00 (Cento e vinte reais);
• Comissão por tonelada: Mesmos índices e sistemática dos reajustes dos salários;

Veja no link abaixo, Ata da Negociação:

AtaNegociaçãoCCT2019.2020

A redação final da CCT 2019/2020 está sendo concluída e, em seguida, será levada à homologação do Ministério do Trabalho.
Ressaltamos a conclusão das negociações em tempo recorde, demonstrando, de maneira clara, o amadurecimento das relações sindicais que envolvem os Sindicatos da categoria de transporte de carga e logística no Estado do Ceará, SINDICAM e SETCARCE, consolidando a evolução do setor, mesmo em momentos de crise, sem esquecer a valorização dos profissionais que fortalecem a atividade, não deixando de lado as conquistas dos empregados e nunca esquecendo a ética no trato com o trabalho.
O SINDICAM realizará visitas às empresas para dar ciência aos trabalhadores dos termos ora negociados, de modo que, ao permitir tais visitas, as empresas possibilitarão um maior conhecimento pelos seus colaboradores da nova Convenção Coletiva.

Comissão de Representantes das empresas que negocia a CCT 2019/2020 voltou a se reunir no dia 18.06

Após a definição dos aumentos salariais, a Comissão de Representantes das empresas que negocia a CCT 2019/2020 voltou a se reunir no dia 18.06 para analisar as demais cláusulas propostas pelo Sindicato obreiro, na sede do SETCARCE.

 

SETCARCE REALIZA WORKSHOP SOBRE “SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM E LOGÍSTICA” – No auditorio do SETCARCE – 18/06

Ocorreu na manhã desta terça-feira, 18/6, no auditório do SETCARCE, workshop com o tema “Soluções para Armazenagem e Logística”.

Na primeira palestra Marcia Podmanicki Supervisora de Inteligência de Mercado – Divisão de Cobertura da MACROGALPÕES-RENTANK, apresentou diversas soluções inteligentes em galpões lonados. Em seguida o coordenador comercial da Companhia do Cipp – Complexo Industrial e Portuário do Pecém. (Cipp S.A), Raul Neres Viana apresentou as projeções e potencialidades do Porto, falou também da parceira com o porto de Roterdam.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NTC&Logística divulga números da Pesquisa de Roubo de Cargas em 2018

Fonte: NTC&Logística
Roubo de Cargas

Desde 1998, a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística – NTC&Logística divulga anualmente a estatística nacional de roubos de carga. Esse relatório tem como base informações colhidas formal e informalmente. Ao longo de 2018, foi registrado um total de 22.183 ocorrências de roubos de carga pelo país. Já no ano anterior, essa soma chegava a 25.970 casos.

O ano passado mostra uma queda de mais de 3 mil incidentes, cerca de 15%, com relação a 2017. E também é um número menor registrado em comparação com 2016, que apontou 24.550. Mesmo assim, ainda é uma quantidade muito alta de episódios. Os prejuízos foram computados em R$ 1,47 bilhão. Segundo o Presidente da NTC&Logística, José Hélio Fernandes, “mesmo a pesquisa apontando uma considerável redução se comparado ao ano de 2017, estamos falando de milhares de roubos em todo o Brasil e isso não é aceitável”. Fernandes ainda comenta que a redução tem muito a ver com o trabalho desenvolvido no Rio de Janeiro, onde o exército por ordem do governo federal interveio com o objetivo de amenizar a situação da segurança interna, impactando positivamente nos resultados da pesquisa.

“Isso ocorre porque os roubos de carga acabaram se tornando um negócio que formou quadrilhas especializadas no assunto, englobando traficantes de drogas e facções criminosas”, comentou o Vice-presidente para assuntos de Segurança da NTC&Logística, Roberto Mira. Nesse cenário, a região Sudeste é a mais afetada, arcando com 84,79% das ocorrências. Em seguida, aparece a região Nordeste, com 6,43%; Sul, com 5,69%; Centro-oeste, 2,34%; e por último a região Norte, com 0,75%.

Já analisando os estados dentro da região Sudeste, o campeão de incidentes é o Rio de Janeiro, onde os registros chegaram a 41,39%, seguido por São Paulo, 39,39%. Juntamente com Espírito Santo e Minas Gerais, amargam um total de R$ 937,76 milhões de prejuízo. Logo depois aparece a região Norte, com R$ 238,96 milhões; Sul, com R$ 152,13 milhões; Centro-oeste, com R$ 108,03 milhões; e Norte, atingindo R$ 36,25 milhões. Enquanto o Norte chegou em 2016 ao seu pico de registros com 237 casos, o Sudeste nunca apresentou menos de 16 mil ocorrências.

Apesar desse montante arrasador da região, a queda nacional se deve, no Rio de Janeiro, à intervenção federal na área da segurança, que resultou também na diminuição de casos. Em 2017 essa parte do Brasil sozinha acumulava a soma do país em 2018: 22.212 casos. Já em São Paulo, a forte retração se deve, não ao trabalho policial mas, em especial, ao forte investimento das empresas em tecnologias de segurança. Mesmo assim, representantes do setor ainda reivindicam uma melhor articulação do governo em função da segurança rodoviária para o setor de transportes.

 

E essa solicitação não deve ser ignorada. O Brasil é o país que possui a maior concentração rodoviária de transporte de cargas dentre as principais economias do mundo. A malha rodoviária concentra 61% do escoamento da produção do país. Isso representa que quase tudo que é produzido aqui viaja pelas estradas brasileiras para chegar a seu destino, ficando à mercê de redes criminosas que concentram suas ações nos itens que mais lhe proveriam lucros.

Assim, os produtos mais procurados nos roubos são relacionados ao tráfico, como cigarros, eletrodomésticos, produtos alimentícios, combustíveis, bebidas, artigos farmacêuticos, produtos químicos, autopeças e têxteis e confecções. Por essa razão também, a maior parte dos assaltos, 78%, ocorre em áreas urbanas, sendo a sua maioria realizada pela manhã. Assim, apenas 22% dos assaltos acontecem em rodovias, onde as quadrilhas dão preferência ao período da noite.

O presidente NTC&Logística, se mostra otimista, “o que sabemos é que temos que continuar fazendo um trabalho integrado na repressão, cobrando uma legislação mais punitiva, além de atrelar informação e tecnologia buscando todas as frentes para tentar atenuar ao máximo esse delito”. Já o Vice-presidente de segurança da entidade comenta que o trabalho integrado com as polícias, vem trazendo grandes resultados e isso deve continuar para que no próximo ano os estados mais afetados como São Paulo e Rio de Janeiro possam ter uma diminuição considerável”.

 

Clique aqui e veja a apresentação completa.

 

TCU DETERMINA QUE ANTT REVEJA VALOR DE PEDÁGIO DA BR-040, EM MG, GO E DF

Decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), relatada pelo ministro Augusto Nardes, determina à Agência Nacional de Transportes Terrestres que retire do pedágio valores de custos estimados para a construção de retornos

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) terá de rever o valor da tarifa cobrada nas 11 praças de pedágio da BR-040, localizadas nos estados de Goiás e Minas Gerais, e no Distrito Federal, segundo decisão do Tribunal de Contas da União (TCU).

No último dia 22, o TCU, sob a relatoria do ministro Augusto Nardes, analisou representação sobre irregularidades no âmbito da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A fiscalização do TCU se debruçou sobre possíveis falhas que teriam ocorrido na 1ª Revisão Extraordinária da Tarifa Básica de Pedágio (TBP) de contrato de Concessão da rodovia.

De acordo com a inspeção realizada pelo TCU, com o objetivo de avaliar o cumprimento dos parâmetros contratuais exigidos, foram verificados alguns indícios de irregularidades que não foram justificados pela ANTT.

Como exemplo, o cálculo da 1ª revisão da TBP foi fundamentado apenas em uma planilha, “sem o amparo de projetos executivos dos retornos que pudessem fornecer uma correta estimativa de seu custo”, asseverou Augusto Nardes.

O TCU também considerou irregular, por exemplo, a implantação de retornos provisórios em nível pela Concessionária Via 040, pois isso está em desacordo com o Manual de Projeto de Interseções do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). “O que gerou riscos à segurança dos usuários da rodovia federal”, enfatizou o ministro-relator.

O ministro-relator Augusto Nardes explica, em seu voto, que “a origem de todos os problemas apontados está na deficiência de regras claras em relação à previsão da execução de dispositivos de retorno em distâncias razoáveis durante o processo de contratação, o que, segundo a ANTT, ensejou a necessidade do devido ajuste com a concessão em andamento”.

De acordo com a agência reguladora, “houve a opção por retornos em nível porque seriam executados predominantemente em áreas rurais e teriam custo mais baixo em comparação com os retornos em desnível”, o que teria gerado menor impacto na tarifa de pedágio, esclarece o ministro do TCU Augusto Nardes.

O TCU determinou à Agência Nacional de Transportes Terrestres que suprima, da tarifa básica de pedágio, os valores inseridos mediante estimativa de custo genérica, a título de remunerar investimentos em retornos em nível que ainda não foram implantados.

Bem assim, a ANTT também deverá revisar os valores colocados por estimativa de custo genérica, cujo objetivo era remunerar investimentos em retornos em nível que já foram implantados, mas com base nos projetos executivos.

A Corte de Contas multou o então gerente de Projetos de Rodovias da ANTT, que deverá pagar multa de R$ 10 mil aos cofres da União. Outros três dirigentes da agência ouvidos pelo Tribunal tiveram suas justificativas acolhidas e não sofreram sanção. Mais detalhes sobre o caso podem ser vistos na íntegra da decisão: Acórdão 1180/2019 – Plenário – Processo: TC 025.311/2015-8.

Estradas entrou em contato, por e-mail, com a ANTT e a concessionária Via040 para se manifestarem a respeito. Entretanto, até o momento da publicação da matéria, não obteve resposta.

Às 14 horas, a Via040, por meio de sua assessoria de imprensa, informou “A empresa não irá se manifestar por se tratar de um processo do TCU contra a ANTT”.

Às 17h55, a ANTT, por meio de sua assessoria de imprensa, esclareceu:

“Todo ano, conforme estabelecido nos contratos de concessão, a Agência promove o reajuste e revisão para manter o equilíbrio econômico financeiro da concessão.

Esta revisão acontece comumente na data de início de cobrança de pedágio de cada concessão. Nessas revisões, são sempre consideradas as inexecuções de responsabilidade da concessionária, que exercem um impacto de redução no cálculo da tarifa.

No caso da 040 já foram considerados na revisão os retornos não executados, conforme determinação do TCU.”

Fonte: Portal das Rodovias Estradas.

Infraestrutura e logística são as prioridades do Ceará na Sudene

Duplicação de rodovias federais, Transnordestina e melhoria de portos estão entre as ações do Estado no Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste, apresentado ao Governo Federal pela Sudene

 

Duplicação e reforma de rodovias federais que cortam o Estado estão entre as mais citadas no projeto entregue ao presidente Jair Bolsonaro em maio passado

FOTO: NATINHO RODRIGUES

Com objetivo de unir esforços e propor projetos integradores, o Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE) da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) – entregue ao presidente Jair Bolsonaro em 24 de maio – possui seis eixos estratégicos articulados cujas ações lidam com desafios atuais da região. São medidas para inovação, desenvolvimento de capacidades humanas, dinamização e diversidade produtiva, desenvolvimento social, conservação ambiental e segurança hídrica e desenvolvimento institucional.

O Ceará incluiu projetos prioritários em todas as frentes, como em infraestrutura e logística, energia, inovação e tecnologia, entre outras. Para a Sudene, recursos hídricos e inovação e tecnologia são os pontos mais relevantes do PRDNE, os quais podem atrair capital para a consolidação de obras e empreendimentos no território cearense.

“Dentro do projeto da Sudene, na parte do desenvolvimento econômico, o Estado priorizou a acessibilidade entre o Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp) e o Porto do Mucuripe, a implantação do Arco Rodoviário Metropolitano, a duplicação da BR-222, da rotatória da BR-020 até o entroncamento da CE-155, a duplicação da BR-222 até a cidade de Sobral, a duplicação da BR-116, indo do Km 53 ao município de Penaforte, a duplicação da BR-304, a Linha Leste do Metrô de Fortaleza, a terceira fase de ampliação do terminal Portuário do Pecém e a retomada das obras de implantação da ferrovia Transnordestina”, enumerou o diretor de Estudos Econômicos do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), Adriano Sarquis.

O pesquisador foi responsável pela parte que trata das prioridades do Ceará no projeto e aponta outros propostas que também estão no documento, como o fortalecimento de cadeias produtivas e o desenvolvimento da agropecuária familiar. “Além disso, tem o fortalecimento da cadeia produtiva da pesca e aquicultura. Na área de turismo, você vai ter a questão da instalação de wi-fi em 12 localidades nos litorais oeste e leste do Ceará, a pavimentação e drenagem do Porto das Dunas, drenagem das águas pluviais de ruas. A ideia é posicionar o Ceará como polo de turismo do Nordeste. Tem também o Projeto de Integração do Rio São Francisco”.

No âmbito nordestino, Sarquis destacou a dinamização e diversificação produtiva com o Cinturão Digital do Nordeste. “Eles (Governo Federal) vão fazer uma linha do Ceará para o Maranhão, ampliando a proposta do Cinturão Digital do Ceará para todo o Nordeste. Tem também neste setor a ampliação da rede de telefonia móvel”, ressaltou. O diretor apontou ainda o fato de o Plano marcar a retomada da ação da Sudene no Nordeste e a articulação entre os unidades federativas da Região.

“É importante que os estados trabalhem de forma articulada para pleitear ações que visem ao desenvolvimento do Nordeste. Temos projetos que interessam aos estados. Esse Plano é importante porque vai assegurar projetos para o Plano Plurianual (PPA) do Governo Federal. Se vão ser realizados ou não, vai depender de uma articulação política. Os governos estaduais precisam se mobilizar”, observa.

Nordeste mais forte

Para o superintendente da Sudene, Mário Gordilho, o PRDNE tem vida útil longa, pois é um plano que tem uma visão de desenvolvimento do Nordeste com projetos em várias matrizes, com prazos de execução variados. “Os projetos foram todos apresentados pelos governadores, então ele tem uma visão de desenvolvimento de 12 anos e perpassa os quatro anos do PPA. Se você me perguntar se tem recursos para todos os projetos, eu digo que não”, explicou.

Entre os seis eixos estratégicos, Gordilho destacou a questão da segurança hídrica e a inovação e tecnologia. “A Sudene quer buscar programas nessas áreas. Essa linha dentro desse nosso plano tem a preparação para uma fase de inteligência e convivência com o acompanhamento e avaliações. Vamos fazer alguma coisa que a Sudene possa acompanhar juntamente com os governos estaduais e municipais para ver se a gente concentra os esforços e os recursos no Nordeste”.

Segundo ele, com o PRDNE a Sudene ganhou força. “Ela voltou a ser protagonista das ações do Nordeste. Precisamos nos unir para resolver os problemas”. Para além dos problemas básicos, Gordilho explica que a infraestrutura e logística também são importantes. “Nós precisamos trabalhar a duplicação das estradas federais. Na parte de ferrovias, resolver o problema da Transnordestina e recolocar as ferrovias que estão na parte do litoral para funcionar. A minha prioridade é a prioridade dos estados”, ressaltou.

 

Com a presença do SETCARCE, Painel de especialistas traça perfis profissionais para o futuro do setor de logística

Fonte: FIEC – SETCARCE

Quem são os profissionais necessários para o desenvolvimento da indústria do futuro? Quem vai criar as novas empresas? Quem está formando esses profissionais?

As respostas para essas perguntas foram debatidas nesta terça-feira (11/6), no Painel de Especialistas do projeto Perfis Profissionais para o Futuro da Indústria Cearense do setor de Logística. O encontro é uma iniciativa do Observatório da Indústria da FIEC, que reuniu representantes do poder público, setor produtivo, academia e terceiro setor, com o objetivo de identificar os perfis que serão demandados pelas organizações industriais e pela sociedade até 2035.

No painel, os especialistas elencaram tendências e discutiram o conjunto de capacidades técnicas que os indivíduos deverão possuir para a realização de atividades atualmente inexistentes ou embrionárias.

Atualmente, o Ceará possui 59 turmas de cursos ligados à logística, sendo 40 em instituições públicas e 19 em instituições privadas. “É um bom número de turmas privadas, o que demonstra uma tendência de mercado”, pontuou Antônio Martins, economista da FIEC. Hoje, o setor conta com 4.018 empregados.

O SETCARCE está representado por seu diretor Marcelo Maranhão.

O painel de especialistas prossegue no dia 13/6, na sede da FIEC.